O Brasil precisa reagir antes que a pandemia e esse desgoverno acabe com a vida das pessoas
O Brasil caminha rumo ao abismo vivendo uma grave crise sanitária e econômica, porém, os serviços públicos como a saúde, a educação, a previdência e a assistência social são fundamentais e sem eles a tragédia que a população brasileira vivencia seria ainda maior e o sucateamento desses direitos vai acabar com os serviços gratuitos e com os servidores públicos, que prestam estes serviços.

Reprodução/Carta Maior

 

O Brasil caminha rumo ao abismo vivendo uma grave crise sanitária e econômica. A pandemia, que nunca esteve controlada, supera 230 mil vidas perdidas para o novo coronavírus, além dos milhões de desempregados. A única saída para essa situação é a vacinação de toda a população brasileira, garantia de emprego e a renovação do auxílio emergencial, pois a vida das pessoas importa e a fome têm pressa.

Essa pandemia vem mostrando que os serviços públicos como a saúde, a educação, a previdência e a assistência social são fundamentais e sem eles a tragédia que a população brasileira vive seria muito, mas muito maior.

O sucateamento desses direitos só mostra que o plano do governo, do Congresso e da equipe econômica de Guedes está centrado apenas em aprovar a Reforma Administrativa que vai acabar com os serviços gratuitos e com os servidores públicos e não irá mexer com super salários e benefícios dos poderes legislativo, do judiciário e das forças armadas.

A PEC 32, que trata da reforma, vai retirar as responsabilidades do Estado com o social e com a saúde pública, ou seja, vai destruir o SUS deixando a população refém do setor privado.

O governo justifica essa crueldade com o povo dizendo que o Brasil está quebrado e que não há dinheiro para mais nada. Tudo isso é mentira! O governo gastou 15 milhões na compra de leite condensado para alimentar o exército e distribuiu 3 bilhões para comprar o apoio político no Congresso nas últimas eleições para as presidências da Câmara e do Senado, sem falar no mais de 1 trilhão de reais dados aos bancos o início da pandemia.

Os brasileiros não podem aceitar mais este crime, é hora de agir pedindo a “cabeça” de Bolsonaro e Mourão, lutar pela vacinação para todos, pela renovação do auxílio emergencial, defender os serviços públicos e dizer NÃO à Reforma Administrativa.

Assim como fizeram com a reforma da previdência e com o fim da CLT, estamos assistindo mais uma vez a retirada de direitos, novamente o governo engana a opinião pública culpando os servidores públicos pela ineficiência de suas políticas públicas e pela incapacidade de seu “staff” em gerir os problemas e a sua política econômica.

SINSSP está em defesa do INSS, dos serviços públicos e em defesa da vida de todos os brasileiros!

Fonte: Imprensa SINSSP

Para ter acesso às notícias do Sinssp no seu celular cadastre nosso WhatsApp (11) 9 89329730, envie “quero ficar informado” e fique por dentro de todas as novidades e informações da categoria.